Enquanto isso, no Brasil:

Logo mais, rrrrrespeitável público, a caravana Rumos Itaú Cultural 2009 entra em cena para mais uma sequência de diálogos, debates, e para dar o que falar por este vasto mundo brasileiro. Depois de Goiás, Brasília, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso do Sul , Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte, Acre, Paraíba, Pernambuco, Rondônia, Amapá, Roraima, Pará e Amazonas, ufa!, não perca o fôlego, atlético leitor, que é a vez de Sergipe, Espírito Santo e Rio de Janeiro abrigarem a tenda itinerante da rumaria.

Hoje é dia de Aracaju, e amanhã também. Logo mais às 19h, no Espaço Semear, Christine Greiner, professora do departamento de Linguagens do Corpo da PUC-SP, palestra sobre A Importância do Corpo nos Processos de Criação em Arte Contemporânea. Amanhã no mesmo horário, no mesmo local, e com a sua mesma presença, a coreógrafa carioca Lia Rodrigues fala sobre Processos de Criação na Dança, abordando o tema a partir da experiência de 35 anos de carreira. 

Na sequência, entre 16 e 18 de abril, a Universidade Federal do Espírito Santo, em Vitória, bem recebe a caravana para assistir, às 19h do primeiro dia, à professora Ivana Bentes palestrar sobre Convergência das Mídias e Linguagens, e ao artista multimídia Lucas Bambozzi falar sobre Linguagens em Trânsito: o Audiovisual nas Redes e as Tecnologias Recentes de Produção de Imagens. A confluência de formatos audiovisuais na internet e a exploração dos conceitos que envolvem essas novas possibilidades de linguagens estão entre os tópicos que serão abordados na fala de Lucas, assim como o conceito de microcinema. No dia seguinte (sexta-feira), das 14h às 18h, o mesmo Bambozzi ministra a oficina Filmes e Vídeo Experimentais, que pretende um aprofundamento das discussões a partir de análises detalhadas de exemplos e estudos de casos.
 
No sábado, 18, o jornalista José Castello volta à cena com a oficina Em Busca do Personagem: Um Olhar Singular. A atividade é aberta para profissionais e estudantes de jornalismo e os seus principais temas abordam a pesquisa, a escolha e a construção do personagem, técnica da entrevista e a transpiração na produção do texto.

E o Rio de Janeiro? Continua lindo, e recebe a caravana nos dias 16 e 17 de abril.

Às 19h do primeiro dia, o pós-graduado na área de biologia e educação Nelio Bizzo fala sobre Processos de Criação: A Obra de Charles Darwin como Exemplo de Processo Criativo. Ele observa que nas últimas décadas a história da ciência passou por uma profunda transformação como campo de pesquisas, contexto em que o trabalho de Darwin torna-se um tema privilegiado. Além desta questão, Bizzo conversa sobre a possibilidade de estabelecer um paralelo entre a criação científica e a artística.
 
No dia seguinte (sexta-feira), das 14h às 17h, Helena Aragão ministra a oficina Introdução à Web Colaborativa. O objetivo da atividade é desmistificar a internet e o processo de escrita e mostrar como a web 2.0 pode fazer diferença no dia-a-dia do usuário. Com aulas práticas e lúdicas, ele dá noções básicas de como ampliar o repertório dos canais possíveis para a difusão de conteúdo na web e como utilizá-lo.
 
Às 18h, André Brasil (professor da PUC-Minas e integrante do programa de pós-graduação em Comunicação) e Ronaldo Entler (mestre em multimeios pelo Instituto de Artes da Unicamp) falam sobre Cinema Expandido: Novos Formatos, Novos Espaços. Na palestra, o primeiro aborda o processo de expansão do filme para além da sala de cinema, e os novos aspectos que ele adquire, devido aos recursos digitais de produção e projeção existentes. Já Ronaldo Entler fala sobre o conceito de obra expandida e analisa o trabalho do documentarista francês Chris Marker que, nos anos 60, repensou o estatuto do cinema com uma inusitada obra de ficção científica, e hoje explora linguagens e ambientes alternativos para reinterpretar os registros que produziu ao longo de quase 60 anos de carreira.

Tá bom ou quer mais? Quer mais? Porque tem mais.

Anúncios

Papo de Palmas, blackout em Brasília

Cardoso e Kujawski, Palmas (TO)

Cardoso e Kujawski, Palmas (TO)

Guilherme Kujawski acaba de voar de volta de Palmas para a sede do Itaú Cultural em São Paulo, onde coordena o núcleo de Arte e Tecnologia. Na capital do Tocantins, Kuja ministrou uma palestra sobre Arte Cibernética ao lado de Daniel Cardoso, que falou sobre processos de criação.

Mas conta aí, Kuja, como é que foi?

“Em Palmas foi um arraso, tivemos um auditório com 130 pessoas. A parceria com o Sesi ajudou muito nesse sentido, já que além dos artistas havia presente um bom número de estudantes das escolas técnicas”. O resultado foi que as cadeiras não foram o suficiente, e parte do público precisou emprestar alguns assentos de outras salas, ou participar do papo em pé mesmo — o importante era participar.

Dos artistas presentes, Guilherme conta que muitos demonstraram trabalhar na fronteira entre artes plásticas e artesanato, e que ficaram muito impressionados com as possibilidades apresentadas pelo uso da tecnologia. “As palestras visivelmente abriram portas para eles nesse sentido. Um dos artistas veio falar comigo no final e disse: ‘eu faço arte cibernética e não sabia!’ Isso porque um dos pontos abordados foi que, mais do que a tecnologia propriamente dita, a arte cibernética tem a ver com interatividade, e essa noção está presente no trabalho dele”.

Não dá pra ver, mas pode confiar que tinha muita gente em pé.

Não dá pra ver, mas pode confiar que tinha gente em pé aqui no canto.

O clima do auditório misturava de maneira muito presente interesse e necessidade. “Na hora das perguntas, além das dúvidas específicas sobre o edital, houve uma boa quantidade de pessoas interessadas em saber como a tecnologia pode ser útil no contexto da cidade, de uma cidade como Palmas, que alia a carência de recursos com uma sede muito grande de informação”.

Antes de pisar em solo tocantinense, Kujawski acompanhou de perto a oficina de introdução à web colaborativa ministrada em parceria com o Overmundo em Brasília, pelo jornalista Viktor Chagas. “Logo de cara”, nos conta Kuja, “o Viktor pediu para que os participantes criassem uma conta no Twitter, de modo que pudessem fazer uma espécie de cobertura em tempo real da oficina”.

O resultado é que, digitando #rumos2009 na ferramenta search do Twitter, você encontra quatro páginas de cobertura sobre o recheio da oficina. O que mostra que deu supercerto. Aliás, deu tão certo que até a cidade ajudou. “A oficina começou às 14h:15, terminou às 17h15 e…às 17h30, metade de Brasília sofreu um blackout!”.

Então é isso, o blackout pode se atrasar, mas você não. A partir de hoje o Rumos marca presença em São Luís (MA), e na sequência tem Campo Grande (MS) e Fortaleza (CE). Não esqueça!

A caravana ligou pra contar

Em Brasília, 19h. Sonia Sobral, gerente do Rumos Artes Cênicas, avisa que o bate-papo inaugural do Rumos 2009 em Brasília atraiu mais que candidatos ao programa. “Reconheci pessoas ligadas às artes cênicas na platéia que não são potenciais inscritos e que foram para ouvir a Christine Greiner”. Estudantes da área de arte e tecnologia também estiveram presentes, motivados pela presença da professora Suzete Venturelli.

Candidatos ou não, o público se mostrou muito menos platéia e muito mais interlocutor. Interessado e ativo, sim, lá em Goiânia também — Kety Fernandes, coordenadora do Rumos Cinema e Vídeo, ligou pra contar. Em Goiânia foi Ivana Bentes quem inaugurou os trabalhos do Rumos 2009, conversando com cerca de 60 pessoas sobre convergência de mídias e linguagens.

Goiânia de olhos e ouvidos atentos...

Goiânia de olhos e ouvidos atentos...

...À palestrante Ivana Bentes

...à palestrante Ivana Bentes

Quem estiver em uma das duas cidades ainda tem tempo de participar. Hoje à noite, Christine Greiner palestra no Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro, enquanto em Brasília Vera Sala discute processos criativos em dança.

Enquanto isso, no ciberespaço

sem-titulo11

A equipe do Overmundo faz o convite para a oficina de introdução à web colaborativa que acontece amanhã em Brasília, e fala um pouco da parceria com o Itaú Cultural. Assim falou o Observatório:

A oficina [ministrada por Viktor Chagas], com duração de três horas, dá uma pincelada na história da internet e da Web 2.0, faz um passeio por sites que usam estrutura colaborativa, aborda a questão da escrita no meio virtual e as mudanças no cenário cultural causadas pelas novas tecnologias. Entre março e abril, vamos participar da caravana também em Recife (março, na Fundação Joaquim Nabuco), no Rio de Janeiro (abril, na UFRJ), em Belo Horizonte (abril, no Museu Inimá de Paula) e Porto Alegre (abril, Centro Cultural Érico Verissimo).

E disse tudo. A expectativa é grande dos dois lados da parceria. E pode ser dos TRÊS lados, se o público animar com a gente. Quem estiver em Brasília é convidado!

O bloco na rua e o pé na estrada

E têm início hoje as tão aguardadas itinerâncias do Rumos 2009. Até o final de abril, uma grande caravana formada por representantes do Itaú Cultural e convidados de diversas áreas e especialidades percorrerá as capitais brasileiras promovendo encontros, palestras e oficinas sob o clima geral da discussão sobre processos criativos.

As aventuras dessa turma você acompanha aqui. As datas dos encontros também, é claro, para que você também possa participar em sua cidade. Vamos começar então com o roteiro da primeira semana de viagem. Mas o roteiro da aventura…bem, aventura não tem roteiro: lá vamos nós de prosa em prosa à espera do imprevisto. Mas por enquanto, vamos às datas:

Brasília, DF: 09 a 11 de março

09/03, 19h — Palestra Processos de Criação, com Christine Greiner, Suzette Ventureli e mediação de Fátima Burgos.

O foco da palestra é a importância do corpo nos processos de criação da arte contemporânea, sobretudo da segunda metade do século 20 em diante, e para linguagens como cinema, performance, teatro, dança, artes plásticas etc. A reflexão parte de três atuantes pensadoras da arte contemporânea: Christine Greiner é professora do Departamento de Linguagens do Corpo da PUC-SP, Suzete Venturelli é professora e pesquisadora da UnB, e Fátima Burgos é professora colaboradora do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da UnB.

10/03, 19h — Palestra Processos de Dança, com Vera Sala

A idéia é voltar ao tema sob o ponto de vista específico da dança, contando para isso com a criadora, pesquisadora e professora da PUC-SP Vera Sala, que faz questão de começar a conversa renomeando sua palestra: “Prefiro chamar de diálogo”. O ponto de partida é a percepção dos processos criativos em dança como espaços de “estabilidades provisórias e instabilidades”.

11/03, 14h às 19h — Oficina Itaulab: Introdução à Web Colaborativa, com Viktor Chagas

Pesquisador da área de Mídia e Política, doutorando em História, Política e Bens Culturais pela Fundação Getúlio Vargas e membro da equipe editorial do Overmundo, o escritor e jornalista Viktor Chagas propõe uma conversa sobre as possibilidades da web 2.0 para o cotidiano dos usuários, estimulando a produção multimídia de conteúdo pelos participantes e desmistificando a internet e o processo de escrita.

As atividades dos dois primeiros dias acontecem no Auditório do Centro de Física da Matéria Condensada — Prédio Multiuso 02, no Instituto de Artes da UnB.

No dia 11, a oficina acontece no Laboratório de Imagem e Som, no mesmo Instituto de Artes.

Campus Universitário Darcy Ribeiro

SG1 – Asa Norte

CEP: 70910-900

Goiânia, GO: 09 e 10 de março

09/03, 20h — Palestra Convergência das Mídias e Linguagens, com Ivana Bentes

O núcleo de Cinema e Vídeo do Rumos convida Ivana Bentes, professora da pós-graduação em Comunicação da UFRJ, a falar sobre o cruzamento de mídias e linguagens na cultura contemporânea. A professora apresentará um panorama de questões e obras que transitam pelo audiovisual, artes plásticas e midiarte a partir da análise de instalações, filmes e obras de videoarte. 

10/03, 20h — Palestra Processos de Criação, com Christine Greiner

A importância do corpo nos processos de criação em arte contemporânea volta a ser discutida pela professora Christine Greiner.

As atividades acontecem no Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro

Cine Goiânia Ouro

Rua 03, esquina com a rua 09, nº 1016, Centro

CEP: 74023-101

Cuiabá, MT: 12 de março

12/03, 19h — Palestra Processos de Criação, com Laís Guaraldo e Palestra Processos de Dança, com Vera Sala

Doutora em Comunicação e Semiótica e professora do curso de Comunicação e Multimeios da PUC-SP, Laís Guaraldo enfoca os processos de criação naquilo que eles proporcionam em comum a criadores de todas as áreas: a investigação, o armazenamento de dados, as experimentações e escolhas, e suas relações com as possibilidades de articulação de linguagens, ferramentas e suportes. Além disso, a criadora, pesquisadora e professora da PUC-SP Vera Sala leva a reflexão ao público do ponto de vista da dança, pensando suas “estabilidades provisórias e instabilidades”.

Em Cuiabá, a conversa acontece no Sesc Arsenal

Av. 13 de Junho, s/n, Porto

CEP: 78020-001

Palmas, TO: 13 de março

13/03, 19h — Palestra Arte Cibernética: Processos, com Guilherme Kujawski e Palestra Processos de Criação, com Daniel Cardoso

O coordenador do núcleo de Arte e Tecnologia do Itaú Cultural, Guilherme Kujawski, articula questões comuns aos processos criativos referentes a várias expressões artísticas do campo da arte cibernética, como a arte robótica, os videogames e as iniciativas artísticas criadas em rede. Como jornalista, Guilherme Kujawski — ou Kuja, como é conhecido nos corredores do Itaú Cultural — atua na área de novas mídias e tecnologias desde 1993, sendo também autor do romance Piratas Siderais (Ed. Francisco Alves, 1994). O enfoque geral do tema é dado por Daniel Cardoso, doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e atualmente pesquisador dos processos de criação com os novos meios no âmbito da arquitetura e do urbanismo.

O encontro acontece no Auditório do Instituto Euvaldo Lodi.

104 Sul Rua SE-03 Lt 29

Edifício Armando Monteiro Neto

Plano Diretor Sul

CEP: 77020-016

***

As datas seguintes ficam para os próximos capítulos. Se você estiver em alguma destas cidades quando a caravana passar, não deixe de aparecer para o papo. Uma voz a mais é sempre uma idéia a mais, é sempre bem-vinda.