Mais de Marabá

A expedicionária Vânia Leal, curadora de Mapeamento da região Norte para o Rumos Artes Visuais, mandou mais uma série de relatos de viagem para a caixa de entrada do editor que vos fala, atento leitor, cuidadosa leitora. Começando pelo trecho final de Marabá, relato iniciado alguns posts atrás (em uma, duas partes), partindo em seguida para Rio Branco. Mas vamos por partes:

18 de março, 19h

No Galpão de Artes de Marabá (GAM), Ederson Oliveira, Jairon Barbosa, Deize Botelho e Antônio Botelho organizaram uma roda de conversa com os artistas, além de promover uma mostra dos trabalhos.

Roda de conversa no GAM: encontro super produtivo!

O GAM é um ponto de cultura importante para a região, e promove ações significativas voltadas para a cultura do povo marabaense.

Trabalhos expostos no GAM: propostas contemporâneas

Os trabalhos apresentados ganharam força. A pintura romantizada de paisagem, que tinha observado em alguns pontos da cidade, agora é substituída por trabalhos fortes, que pensam a relação de Marabá e suas transformações, do ponto de vista político e social.

Antônio Botelho apresenta uma pesquisa interessante com tábuas de cortar carne e suas marcas, além da relação de memória na cidade.

Uma artista que também faz parte da história de Marabá e tem seu acervo no GAM é Teresa Bandeira, que merece aqui nosso registro.

Jairon Barbosa me levou para conhecer Lúcia, uma artista que mora num lugar bem deslocado da cidade, quase num sítio.

Casa da Lúcia

Ouvindo histórias de vida

Lá ouvi sua história, e o quanto Lúcia se sente excluída por não tem seu trabalho reconhecido. São produções de malas em série, feitas de madeira e couro, que remetem à memória de sua infância, onde os guardados ficavam numa mala. Foi um encontro interessante! Num lugar silencioso, deslocado do barulho da cidade.

[Vânia Leal]

Anúncios
This entry was posted in Rumos 2011 and tagged , , , by reuben da cunha rocha. Bookmark the permalink.

About reuben da cunha rocha

São Luís (MA), 1984. Jornalista, escritor e tradutor, com trabalhos publicados em revistas como Poesia Sempre (Biblioteca Nacional), Revista de Autofagia, Cult, Modo de Usar & Co. e Continuum, do Itaú Cultural. Em 2004, foi selecionado da primeira edição do Rumos Jornalismo Cultural. Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, também é editor da revista Semeiosis, do Grupo de Pesquisa Semiótica da Comunicação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s