Dias e noites do Norte (3)

É só seguir as linhas, amigo leitor, cordial leitora, para continuar com o roteiro do segundo dia de Vânia Leal em Marabá, em viagem de mapeamento da região Norte do país para o Rumos Artes Visuais. Por hoje é só, mas ainda há muito pela frente.

Segundo dia, 18 de março de 2011

Sigo para o GAM – Galpão de Artes de Marabá –, onde sou recebida pela Associação dos Artistas Plásticos de Marabá – ARMA, uma das entidades culturais mais atuantes do município. Fazem parte da nova diretoria da ARMA: Edmilson Gomes (Presidente), Arilson Barros (Vice-Presidente), Jairon Barbosa (Secretário), Marcone Moreira (Tesoureiro), Gabriel dos Reis, Domingos Nunes, Samir Raoni e Afonso Camargo (Conselheiros).

Estive na cidade em 2008, quando do Projeto Arte Pará, e naquele momento tive a oportunidade de conhecer alguns artistas. No encontro do Rumos, praticamente os mesmos estavam presentes. Não percebi avanço nas pesquisas, e a projeção em cima do Marconi Moreira é bem direcionada.

Percebi que há necessidade de desenvolver um processo de formação e conhecimento acerca da arte contemporânea. A pintura de paisagem é romantizada e é algo recorrente na cidade.

Grupo de artistas no Galpão de Artes de Marabá

Artistas na Galeria Vitória Barros

À tarde fui à Galeria Vitória Barros, e um grupo maior estava por lá. Dessa vez preparei um material no Power Point para abrir à dialógica, coloquei alguns propósitos do edital Rumos e, de propósito, questões de arte contemporânea. Arte relacional e as questões da cidade, a posição do artista na Amazônia e as questões políticas que permeiam o lugar. Neste dia a inquietação foi maior. Recebi alguns e-mails depois, com propósitos interessantes.

Orla de Marabá

À noite fui à Orla comer um peixe assado na brasa, uma delícia! Volto para Belém em paz, pronta para um novo desafio: ir a Santarém e me banhar no rio Tapajós, afinal sou índia e tenho minhas crenças: chegar num lugar desses faz-se necessário pedir licença para o rio.

Assim seja!

[Vânia Leal]

Anúncios
This entry was posted in Rumos 2011 and tagged , , , by reuben da cunha rocha. Bookmark the permalink.

About reuben da cunha rocha

São Luís (MA), 1984. Jornalista, escritor e tradutor, com trabalhos publicados em revistas como Poesia Sempre (Biblioteca Nacional), Revista de Autofagia, Cult, Modo de Usar & Co. e Continuum, do Itaú Cultural. Em 2004, foi selecionado da primeira edição do Rumos Jornalismo Cultural. Mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, também é editor da revista Semeiosis, do Grupo de Pesquisa Semiótica da Comunicação.

One thought on “Dias e noites do Norte (3)

  1. Pingback: Mais de Marabá | Rumos Itaú Cultural

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s