O último post da temporada

Chegamos até aqui, leitor, mas eu, antes de chegar ao ponto final desta frase, antes de sair do seu início, respiro fundo, solto o ar, amoleço os dedos sobre o teclado do computador pra te dizer: chegamos até aqui.

Este blog quando começou tinha a cara de todos nós quando começamos, uma cara apenas mais ou menos nossa, um pouco disforme, um pouco sem saber o que se é. E aí muitas vozes deram por aqui as caras, a sua, a sua, a sua aí atrás também. Sim, você. Eu, tu, ele. Nós, vós, eles. Num trem de Teresina pra São Luis do Maranhão, ah que saudade da Bahia, minhalmacantavejooriodejaneiro, alguma coisa acontece no meu coração.

E assim as coisas foram se acertando e ficando meio parecidas com uma canção de Arnaldo Baptista, todos juntos numa pessoa só, só que debaixo dos meus dedos de editor, e você não tem idéia do tamanho desse privilégio. Nem você. Ou você, sim, você mesmo, aí debaixo da goiabeira.

Do Norte, do Sul. Do Centro-Oeste, do Nordeste, do Sudeste. Até aqui, neste ponto. Que não é aquele do começo, que não será o do final. O último post da temporada — mas entra lá, por exemplo, no site do Itaú Cultural e vê só o quê que a turma do Rumos Música e do Artes Visuais estão aprontando esse mês. Ou pare e pense nos inscritos do jornalismo cultural, que ainda têm algumas semanas pra martelar um belo dum cartão de visitas.

Eu não sabia, mas em 2004, um imberbe eu participava de uma idéia sobre a qual viria a falar na abertura desta aventura: Rumos é movimento.

 

Augusto Paim, Anderson Ribeiro, Reuben e Leandro Lopes, clicados por Jayme Canashiro

Augusto Paim, Anderson Ribeiro, Reuben e Leandro Lopes, clicados por Jayme Canashiro

 

Abertura da primeira edição do Rumos Jornalismo Cultural. Dezembro de 2004, atravessando a Paulista, saindo da sede do Itaú Cultural. Mal nos conhecíamos, nem suspeitávamos onde a amizade iria parar — soubemos sair dos quatro cantos do Brasil para atravessar o coração de São Paulo e ser atravessado por ele, e foi o bastante. Por algum motivo a Avenida Paulista virou nossa Abbey Road, e eu sequer lembrava disso quando Babi Borghese — expedicionária, rumeira-mor e fada madrinha já de duas rumorosas turmas — encontrou a foto, perdida no blog do Leandro.

Depois a intrincada investigação jornalística pelos porões de várias memórias para descobrir de quem o dedo que clicou a nossa hora. Era do Jayme. Nenhum dos envolvidos no crime conseguia lembrar com precisão. Leandro suspeitou, soprei a dica pra Babi, que num telefonema pro doutor confirmou: foi o Jayme, claro, este rumoroso precioso, misto de médico e jornalista (é verdade, pode acreditar), como pudemos esquecer? E inverto a pergunta: que memória dá conta quando não há nada numa história que não seja inesquecível?

É também de Babi o crédito da idéia de voltar a este começo neste temporário fim. Eu por muito tempo fico só com o travo da saudade antes de aportar neste texto, que diz pra você o que antes disse pra mim: repare. Este retrato registra o movimento. Do nascer do Rumos. Do início de cada um de nós. Até o movimento dos carros.

O segundo beatle, eu sou um moleque feliz por ter conhecido o Rumos e os amigos adoráveis que ele me deu. Atravessada a Paulista e o passar dos anos, sou um moleque feliz por ver meus adoráveis amigos tornados jornalistas que admiro tanto, e por carregar no próprio corpo a prova do que sempre digo, inclusive aqui — não existe ex-rumeiro, um rumeiro é sempre um rumeiro. Do lado de cá e de lá deste ponto.

Anúncios

6 thoughts on “O último post da temporada

  1. É explodindo o coração que vejo esta foto hoje neste blog neste contexto com texto deste Reuben. Dezembro de 2004, o primeiro encontro de selecionados Rumos Jornalismo Cultural, quando nós também aqui do Itaú Cultural não sabíamos direito o que esse momento significaria…
    Augusto vinha de Santa Maria e certamente não imaginava que passaria pela Alemanha antes de voltar a Porto Alegre, e que seria colaborador assíduo da Continuum… Anderson não sabia que deixaria Aracaju rumo a Brasília, Reuben nem pensava em sair de São Luís numa escala em Florianópolis para chegar a São Paulo e editar o blog do Rumos, dando-lhe cara e personalidade. E o Leo não contava com a hipótese de sair de Aracaju para fincar pés em Belo Horizonte. Sem falar do Jayme, que nem lembrava mais que havia registrado, sem saber, a alma do programa – a Paulista como ponto de encontro de sinceras amizades e duradouras parcerias e também ponto de partida para outros voos, que tenho o orgulho e o prazer de acompanhar.
    Que venha a terceira geração de rumeiros do Jornalismo Cultural, deixando seus lugares de origem para atravessar a avenida que – espero – os levará por caminhos inimagináveis que os ajudará a construir uma carreira bacana!
    Beijíssimos
    Babi

  2. Caminhos inimagináveis, experiências inesquecíveis, amigos pra vida toda, aprendizados que até hoje se manifestam nas práticas diárias. Hoje cada um segue seu rumo com um “ponto de partida” comum que dá um brilho especial a nossa história. Saudades eternas, satisfação enorme de ser da “turma dos cobaias” dessa experiência que permanece e se aprimora a cada dia. Saludos desde BH!

  3. Digo aqui sobre os transbordamentos do rumos, que entornam sobre mim via Lud. Desde as idéias incipientes, os primeiros caminhos e escritos traçados, até a constatação de que muito foi desenvolvido e aprimorado, à base de suor e sorrisos.

    Parabenizo a todos, com olhos admirados e a certeza de que muito ainda mais está por vir, para os que por aí passaram e para os que passarão.

    Certeza também de que minha atenção continuará voltada para essa iniciativa, que de garoa passou a tempestade e que compartilha seus ares e gotas, mesmo sem saber, por todo o país, inclusive aqui, nas serras de Minas.

    Abraços e boas sortes,
    Flávia

  4. Gente, que texto é este que se encaixa perfeitamente num misto do que éramos, do que somos e do que nem imaginamos que podemos ser? uma vez eu li que saudade é esperança ao contrário. e por que não esperar um novo encontro? sorte aos que virão. e que os que tenham passado por aqui nesta temporada carreguem o que levamos em nós: a sede louca de aprender sempre e a certeza de que teremos sempre a quem buscar. beijo enorme em todos vocês. pat

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s